sábado, 25 de agosto de 2007

ROGER “SYD” BARRETT (1946-2006)

It's awfully considerate of you to think of me here
And I'm much obliged to you for making it clear that I'm not here.
And I never knew the moon could be so big
And I never knew the moon could be so blue
And I'm grateful that you threw away my old shoes
And brought me here instead dressed in red
And I'm wondering who could be writing this song.

I don't care if the sun don't shine
And I don't care if nothing is mine
And I don't care if I'm nervous with you
I'll do my loving in the winter.

And the sea isn't green
And I love the queen
And what exactly is a dream
And what exactly is a joke.


Syd Barrett, "Jugband Blues", A Saucerful of Secrets, LP – Columbia, 1968.



Syd Barrett, fundador, vocalista e principal compositor da primeira etapa de vida dos Pink Floyd, morreu no dia 7 de Julho de 2006, na sua casa de Cambridge. Os jornais ingleses dizem que foi devido a um cancro, apesar de inicialmente se ter falado em complicações associadas à diabetes.

Roger Keith “Syd” Barrett nasceu em Cambridge, Inglaterra, a 6 de Janeiro de 1946. Na adolescência tocou em grupos de blues até ir para Londres, em 1964, com o vizinho Roger Waters — Barrett para estudar pintura na Camberwell School of Arts, Waters para seguir arquitectura no Regent Street Polytechnic. No ano seguinte fundou uma banda com Roger Waters, Nick Mason e Richard Wright. O grupo foi baptizado a partir do nome de dois bluesman obscuros — Pink Anderson e Floyd Council.

A carreira de Barrett durou apenas nove anos, desde a fundação dos Floyd, em 1965, até à última vez que entrou num estúdio, em 1974. Gravou três singles e um álbum com os Pink Floyd — The Piper at The Gates of Dawn, editado em 1967, que se afirmou com a obra maior do psicadelismo. No segundo álbum da banda, A Saucerful of Secrets, publicado em Junho de 1968, participou apenas com o tema "Jugband Blues". A solo registou dois álbuns, The Madcap Laughs e Barrett, ambos de 1970, e Opel, publicado em 1988, constituído por sobras de anteriores sessões de gravação.

Pouco após a edição de The Piper at The Gates of Dawn começam a surgir os primeiros sinais de que algo de grave se passa com a saúde do músico. Num concerto não tocou senão um acorde. Num outro desafinou a guitarra ao som de Interstellar Overdrive. Quando a banda passou pelo American Brandstand, nos EUA, não abriu a boca durante o playback televisivo. Deixa de aparecer para os concertos e ensaios, o que forçou a banda a contratar o guitarrista David Gilmour, que conhecia Syd desde a adolescência, para o substituir. Após um curto período como quinteto, a saída de Barrett dos Pink Floyd é oficializada a 6 de Abril de 1968.

Em 1972 forma uma nova banda, os Stars, mas abandona-a pouco tempo depois. A disponibilidade de Barrett para as gravações vai-se deteriorando, as aparições ao vivo escasseando, até que se retira definitivamente para a casa de infância, em Cambridge, onde vive as três últimas décadas, pintando, cuidando do jardim e esquivando-se dos jornalistas e fãs que o abordavam.

Sem comentários: