domingo, 16 de setembro de 2007

KLUTE (ALAN J. PAKULA) 1971

Tom Gruneman, um cientista de uma empresa da Pensilvânia, desaparece misteriosamente de sua casa. A única pista encontrada resume-se a uma carta dactilografada que contém linguagem sexualmente explícita que este homem de família aparentemente feliz terá enviado a uma call girl de Nova Iorque, chamada Bree Daniel. Após seis meses de infrutíferas investigações, John Klute, um jovem detective de polícia de uma pequena cidade de província, abandona a corporação para, por conta da firma para quem o cientista trabalhava e da sua família, de quem é amigo pessoal, continuar sozinho as investigações.

A sua primeira ideia é abordar Bree em Nova Iorque, mas o resultado é nulo. Aluga, então, um quarto no seu sórdido prédio e passa a vigiar cautelosamente todos os passos da rapariga. E, pouco a pouco, Klute vai penetrando num universo desconcertante, desesperante, amargo e violento, que o vai igualmente contagiando.

Klute é, antes de mais, um thriller inteligente e envolvente, primorosamente realizado por Alan J. Pakula, que nos anos seguintes se iria confirmar como um grande realizador na área do policial e do thriller político.

O filme conta com duas grandes interpretações de Jane Fonda (que venceu o Óscar de melhor actriz) e Donald Sutherland, servidas por uma mise en scène atenta, rigorosa e milimétrica, construída sobre jogos de sombras e aparências, numa sociedade de aparências sombrias.

Sem comentários: