terça-feira, 25 de março de 2008

DEMENTIA 13

Dementia 13 (1963) é considerada a primeira longa-metragem realizada por Francis Ford Coppola e faz parte de uma longa lista de filmes produzidos por Roger Corman e assinados por realizadores que rapidamente se tornariam nomes de primeira linha do cinema norte-americano, após terem deixado a chamada “Escola Corman”. Esta exigia-lhes apenas que filmassem depressa, gastando o menos dinheiro possível.

O filme conta a história da maldição que paira sobre uma nobre família irlandesa que vive no Castelo Haloran e que foi atingida por uma tragédia envolvendo a morte de Kathleen, o membro mais jovem do clã que se afogou no lago da residência enquanto brincava com o seu irmão Billy.

Após o acidente fatal, a família separa-se, ficando apenas a matriarca Lady Haloran e os criados Arthur e Lillian. Porém, todos os anos os irmãos John, Richard e Billy retornam a casa para celebrar o memorial da morte da irmã, cuja sepultura nos jardins do castelo é mantida sempre revestida de flores por Lady Haloran, que nunca superou o desaparecimento prematuro da filha.

Nas vésperas de um desses macabros rituais John e a esposa, Louise, decidem dar um passeio nocturno de barco, no decorrer do qual John diz a Louise que a detesta e que ela nunca receberá um cêntimo da fortuna da sua família. Na discussão que, entretanto, se gera, John, que sofre do coração, tem um ataque cardíaco e morre. Louise decide ocultar o corpo para que Lady Haloran não saiba da morte do filho e possa inclui-la no testamento da família.

Durante a reunião da família, estranhos acontecimentos começam a ter lugar. Um assassino começa a actuar nas imediações do castelo e, após o desaparecimento de Louise, mortalmente golpeada com machadadas, e de um vizinho, Simon, decepado violentamente enquanto caçava furtivamente coelhos, além da loucura tomar conta da mente de Lady Haloran, o médico da família, Dr. Justin Cale, é chamado para ajudar a investigar a maldição que ronda o local da morte da jovem Katleen.

Dementia 13 transformou-se num clássico do cinema de terror psicológico sendo, por vezes, comparado, com as devidas ressalvas, a Psycho (1960), de Alfred Hitchcock.

Sem comentários: